08 de Agosto, 2018 às 10:35:00

A secretária municipal de Saúde de Nossa Senhora do Livramento Rita Proença, acompanhada de outros servidores da pasta se reuniu nesta terça-feira (7), com os vereadores do município. O encontro se deu na Câmara Municipal onde se tratou sobre pontos relacionados à área da saúde municipal, obviamente. Rita respondeu sobre diversos questionamentos dos edis sobre os mais variados serviços que vem sendo, e outros que também podem ser prestados pelo setor à comunidade livramentense.

Enfático, o vereador Paulo de Caraca (PSB), quis saber sobre a folha salarial, se houve aumento em relação à gestão anterior.  Já Admárcio Prado (PSDB) indagou sobre os projetos para a área e a forma de como a Câmara poderá auxiliar nisso. Edésio Pompilho (PSC) demandou sobre remanejamento de verbas de emendas parlamentares. Edmilsom Brandão (PSDB) lembrou sobre o atendimento e a hipótese do fechamento do Hospital Municipal. , Erli Queluz (PHS) sugeriu a centralização dos setores da saúde num só prédio para melhor economia. Assim também o fizeram Gilson Almeida (PSDB) e Airton Arruda (PSD).  

Após essa lista de questionamentos, Rita detalhou aos edis papa-bananas sobre a situação da pasta, entre receitas e despesas manuseadas nos últimos seis meses. Nisso também se inclui financiamento e transferência dos recursos estaduais e federais para as ações do serviço público de saúde. Lembrou que esse detalhamento é atualizado de três em três meses, por meio de avaliação trimestral feito por todos os setores da saúde. “Através do nosso planejamento estratégico dos últimos seis meses, podemos responder a todos vocês, o que foi arrecadado e de como foi gasto o dinheiro público”, destacou.

Durante a explicação, Rita deu ênfase a folha salarial da saúde, que segundo ela, consome cerca de 95% do orçamento mensal da pasta, que gira em torno dos R$ 2,3 milhões. Entretanto, a folha diminuiu de comparado aos últimos dois anos anteriores. A situação do Hospital Municipal também foi explanada por Rita e acrescentada pelo diretor clínico municipal Thiago Almeida da seguinte fora: “é sofrível, mas mesmo diante da dos escassos recursos e equipamentos salvamos vidas diárias”. Rita também enumerou os valores e as finalidades das verbas de emendas parlamentares conseguidas através de três deputados federais.

“Tínhamos um monte de planos e projetos para aplicação de parte dessas verbas que chegam em R$ 500 mil, contudo, essas verbas são carimbadas e tem destino previamente definido. Temos o dinheiro, mas ele é engessado e sinceramente, nos causam até distorções no uso desse dinheiro, já que nossa real intenção é garantir por meio desse dinheiro, mais qualidade na prestação dos serviços. Ninguém avalia isso, mais cobra o resultado de ações”, completou Rita.

Após cerca de 40 minutos de apresentação e respondendo aos questionamentos dos vereadores, Rita finalizou destacando imenso interesse em demonstrar como se apresenta atualmente o quadro da saúde municipal. “É muito importante que o Poder Legislativo participe das nossas ações. Precisamos de auxílio em ideias no intuito de melhorar as políticas públicas da saúde municipal.”

 

Fonte
Texto: Assessoria
Foto: Assessoria