02 de Dezembro, 2018 às 19:57:00

O município de Nossa Senhora do Livramento, por meio da secretaria municipal de Assistência Social, participou na sexta-feira (30.11), do Fórum Estadual em Defesa da Assistência Social, realizado no Hotel Fazenda Mato Grosso. O objetivo foi articular, e fortalecer a mobilização em defesa do atendimento na assistência social em Mato Grosso.

Os cortes nos orçamentos afetam os municípios de todas as regiões, com reflexos nos serviços oferecidos, motivo pelo qual as entidades que compõem o fórum editaram uma carta aberta que foi assinada pelas entidades, a qual foi entregue a membros da bancada de parlamentares de MT, pedindo que votem pela recomposição do orçamento.

Estiveram presentes no ato, gestores da assistência social dos municípios, prefeitos, APDM, COEGEMAS e Fórum Estadual em Defesa do Suas. Também participaram do ato representantes de várias entidades de mais oito estados.

Numa discussão ampla, os participantes discutiram as reivindicações junto ao Governo Federal, quanto a reformulação da PLOA 2019. O objetivo é assegurar no orçamento os recursos suficientes para o pleno desenvolvimento, manutenção e ampliação dos equipamentos, programas, projetos e serviços socioassistenciais, para que seja evitado o abandono de milhões de pessoas que necessitam destas políticas públicas. Está previsto pelo governo, um corte de 50% do orçamento da Assistência no Brasil e isso terá um reflexo diretamente nos municípios e no estado de Mato Grosso.

Diante da proposta do governo Federal em cortar aproximadamente R$ 46,5 bilhões no orçamento da Assistência Social para o exercício 2019, onde inclui a redução de metade do orçamento do programa Bolsa Família. Além de reduzir os benefícios para certa de 7 milhões de famílias em situação de pobreza e extrema pobreza que vivem em situação de vulnerabilidade social e do Benefício de Prestação Continuada, para cerca de 2,3 milhões de pessoas com deficiência e idosos.  Os cortes acontecerem terão um impacto em mais de 17 mil serviços socioassistênciais, ofertados pelos Cras, Creas, Centro-POP e Unidades de Acolhimentos Institucionais, que atuam diretamente em situação de vulnerabilidade ou risco social, por ocorrência de abuso sexual, abandono, situação de dependências químicas, violência doméstica, maus tratos físicos e ou psíquicos, situação de trabalho infantil, situação de rua, cumprimento de medidas socioeducativas, entre outras situações de violação de direitos.

O Fórum foi composto por 50 instituições que desenvolvem o trabalho social, entre elas a Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social, Associação para o Desenvolvimento Social do Estado de Mato Grosso-APDM; Colegiado de Gestores Municipais de Assistência Social - COEGEMAS. Os Conselhos representantes de Classes, Federação das Associações de Moradores de Bairro, as Uniões de Associação de Bairros, Associações de Mulheres, além de outras entidades, integram a entidade. O Fórum foi criado ano passado, com uma diretoria executiva provisória.


Fonte
Texto: Da Assessoria/ Agência de Notícias da AMM
Foto: Da Assessoria

Leia Mais: